quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Tenho me sentido velho...

... desde ontem. Isso não é necessariamente ruim. Como bom capricorniano, eu nasci velho e vou me transformando em jovem ao longo da vida, não é mesmo? Ontem, almocei com duas amigas maravilhosas! Somos amigos desde os 10 anos de idade, mais exatamente desde o primeiro dia de aula da 4a série. Ah... A minha turma E da 4a série do 1o grau... Que saudade... Foi naquela sala, entre as aulas da Idúlia, Selma e de outra professora que não lembro o nome, que conheci amigos que até hoje estão na lista do celular. Orivam, Camila, Alessandra, Thiago são os principais. Eles acompanharam o cotidiano de mais da metade da minha vida.

Mas voltando... O almoço com as meninas foi perfeito! Até o restaurante era agradável. Na verdade, apesar de gostar exageradamente delas, nós nos encontramos menos do que deveríamos. Primeiro, abracei Alessandra, que está charmosamente rouca. Depois, a Camila, com a mesma cara de sempre, pulou em cima dos meus ambros! Ai que gostoso... Para onde vamos? Pra variar, chegamos ao refeitório de luxo e as duas ficaram sem saber o que fazer. Pra variar também, tomei a decisão: deixem a bolsa na mesa e voltem para o self service. Simples, não é? Não. Para elas, nada é simples e eu sempre me divirto com isso. Papo vai, papo vem. E ai? Como está o namoro? E a faculdade? Termina quando mesmo? A quase-médica, pra variar, completamente perdida no tempo. "Não, Camila, esse foi lá na adolescência. Não tem mais naaada a ver. Nem sei como você lembrou dele!" A advogada-rouca está quase namorando... E, pelo jeito, vai continuar no quase mesmo. Os cinco anos de relacionamento foram meio traumáticos, sabe? "Não quero saber de ninguém agora." Quem ouve até acredita... Mais pro final, fiquei com ciúmes do novo-melhor-amigo-de-faculdade da quase-médica. Ela, sempre distraída, nem me deu bola. E como 95% das nossas conversas nestes 13 anos de amizade, caímos no assunto óbvio da vida sexual de cada um. E como 100% das conversas anteriores, a minha vida sexual foi a que levantou mais curiosidade. Mas também é fácil, né... A quase-médica está quase-casadinha com um recém-médico. A advogada-rouca está saindo com o quase-namorado há um mês e até agora nada... E eu? Sobraram-me os relatos dos meus últimos quase-namoros...

A despedida foi triste... Adiamos ao máximo... Enrolamos o quanto pudemos... Se aos 10 anos era o micro-ônibus que cortava a conversa, agora são as reuniões e o horário do plantão. Elas não viram, mas quando segui o meu rumo, fiquei com os olhos cheios d'água... Coisa de velho, né?

Ao anoitecer, dei uma acelerada no meu frila. Dinheiro bom, importante e trabalho atrasado. Não agüentei terminar. Consegui a façanha de dormir antes das 10h da noite! Sim! Desmaio total. Nem eu me reconheci. Horário de velho dormir! Quando o produtor panamericano chegou não entendeu nada. "Oi! Você tá bem?" "Tô. Fica tranqüilo. Só estou dormindo." "Eu hein... Então tá." Acordei às 5h da manhã. Cedo demais... O que passava na TV? Adivinha! Adivinha! Barrados no Baile! E não foi qualquer episódio! Foi o dia da formatura de Brendon, Brenda, Kelly, Donna, Dylon e companhia. O fiquei chocado, né... Eles se formaram em 1993! Há 14 anos! Ai... Vou parar por aqui... Isso é coisa de velho.

Agora de noite, resolvi parar com esta fase nostálgica. Liguei pra farmácia e pedi um creme esfoliante. Quase adolescente! Quero aproveitar, pois ainda não preciso dos antirugas. Do outro lado do telefone: "Senhor, não temos este creme. Desta marca, somente o creme contra marcas de envelhecimento." Ah não! Aí já virou perseguição!

Adeus

Um comentário:

Flores disse...

Bom... é pra eu levar pro lado pessoal o fato de ser mais velho que você?!